Esta noite eu vou te roubar pra mim. Te buscar na sua casa, e te trazer pra minha cama. Te acariciar embaixo da coberta e cochichar o nosso futuro que eu vivo planejando. Vou te abraçar forte, e deixar tudo de ruim pra trás. Vou grudar seus pés com os meus. Vou juntar teu corpo ao meu. E dizer a noite toda, o quanto eu te amo…
Cabana dos Sonhos.   (via revejo)


Meu pai não bebia, não fumava e morreu cedo. Não roubava e morreu pobre. Tirava o que tinha para dar para os outros e teve poucas pessoas para carregar seu caixão. Depois que ele morreu, nenhum parente perguntou se seu filho precisava ou não de algo. Ou seja, em vida meu pai me ensinou a ser a melhor pessoa que eu conseguir. Em morte, me ensinou a não esperar nada em troca por isso.
Danilo Gentili.  (via revejo)


Cada um tem o seu jeito, o meu é esse.
Clarissa Corrêa.


Pra falar a verdade, às vezes minto tentando ser metade do inteiro que eu sinto. Pra dizer às vezes, que às vezes não digo. Sou capaz de fazer da minha briga meu abrigo. Tanto faz não satisfaz o que preciso, além do mais, quem busca nunca é indeciso. Eu busquei quem sou, você pra mim mostrou que eu não sou sozinho nesse mundo. Cuida de mim enquanto não esqueço de você. Cuida de mim enquanto finjo que sou quem eu queria ser. Cuida de mim enquanto finjo, enquanto fujo. Basta as penas que eu mesmo sinto de mim, junto todas, crio asas, viro querubim. Sou da cor do tom, sabor e som que quiser ouvir. Sou calor, clarão e escuridão que te faz dormir. Quero mais, quero a paz que me prometeu.
O Teatro Mágico. 


Eu realmente acho lindo essa coisa de duas pessoas não quererem nada que seja bom no mundo além de uma a outra. E eu queria você, muito. O querer mais bonito que pode existir era seu, só seu.
Caio Fernando de Abreu. 


Vem, antes que eu me vá, antes que seja tarde demais. Vem, que eu não tenho ninguém e te quero junto a mim. Vem, que eu te ensinarei a voar
Caio Fernando Abreu.


Difícil é amar quando alguma coisa dá errado. Quando a casa está uma bagunça, quando as contas começam a crescer e o dinheiro diminuir, quando qualquer palavra vira ofensa, quando um silêncio se transforma em dúvida. Quando sobram palavras entaladas na garganta, quando falta um gesto que era pra ter marcado presença, quando o beijo é rápido, o olhar é vazio, o abraço é curto, as promessas falham. Quando o zíper da mala fecha e você não vai. Quando você espera por algo que nunca vem. Quando as expectativas começam a te sufocar. Quando os olhos ficam marejados ao lembrar do que podia ter acontecido, mas não aconteceu. Quando a porta bate, o tom de voz aumenta, a paciência se esgota, o humor não faz mais rir.
Clarissa Corrêa.